04
Set 09
Por zedeportugal, às 23:19 | comentar

Confesso que fiquei bastante confuso com a notícia da suspensão(?) do Jornal Nacional da TVI. E, também, não gosto de saltar para as conclusões (tradução literal da expressão inglesa jump to conclusions).

 

Por um lado, parecia-me improvável que o socialismo governante fosse tão estúpido ao ponto de forçar uma decisão destas, neste preciso momento – embora eu saiba, por experiência própria, que estas criaturas fizeram anteriormente coisas tanto ou mais maldosas e improváveis que esta, sem que alguém acreditasse que tal era possível.

 

Por outro lado, não conseguia perceber a lógica masoquista desta decisão da administração da TVI. A agravar esta confusão ainda, o jogo do empurra entre as administrações da TVI e da Prisa quanto à responsabilidade da decisão.

 

As empresas são organizações que se destinam a criar mais-valia, a dar lucro, pelo que não é compreensível que uma administração (qualquer administração) tome uma decisão que venha provocar um tão óbvio e imediato prejuízo à sua própria empresa. A não ser... que esse prejuízo imediato seja compensado com uma perspectiva (ou promessa) de ganho futuro. Assim já faria sentido.

 

Contudo, um percurso racional só faz sentido se partir de factos e não de suposições. Vejamos, então, alguns factos conhecidos:

 

-         A Prisa encontra-se numa difícil situação financeira, com uma dívida de 5 mil milhões de euros e a obrigação de pagar a curto prazo 1, 95 mil milhões de euros.

-         Por isso, no passado Junho a Prisa estava vendedora à PT de 30% da Media Capital – a empresa proprietária da TVI e cujo controle a Prisa detém desde o final de 2006 (mas o negócio não chegaria a realizar-se após as ameaças do próprio executivo socialista que vetaria a decisão dentro da administração da PT).

-         A Media Capital não vendeu uma única acção em bolsa durante vários dias, até ontem ter desvalorizado cerca de 15% após o anúncio da suspensão do Jornal Nacional.

-         No passado dia 5 de Agosto, José Eduardo Moniz sai subitamente da TVI e ocupa a vice-presidência da empresa Ongoing, a qual manifestou o seu interesse para adquirir os 30% da Media Capital que a Prisa pretende alienar, "mas o negócio está, para já, suspenso".

 

Perante estes factos, parece-me bastante claro que a Prisa está a por a Media Capital a jeito (perdoem-me o vernáculo, mas não há melhor forma de o dizer) para uma OPA. Aliás, tão a jeito, tão a jeito, que irá provavelmente obter uma Takeover (hostil or not).

 

As constatações finais são: alguém só se põe a jeito assim para outrem muito especial e ninguém se põe tão a jeito sem querer qualquer coisa em troca.


Por Nuno Castelo-Branco, às 19:11 | comentar

 

 O caso da semana e da abertura da campanha eleitoral, é sem qualquer hesitação, o do saneamento de Manuela Moura Guedes. Jamais concordei com um certo tipo de jornalismo personalizado por aqueles que hoje denominados de pivots, se arrogam do direito que ultrapassa largamente a irreverência ou o atrevimento compatíveis com uma informação livre.  

Todos se recordarão de episódios mais ou menos pitorescos de um arrivismo "para se salientar", protagonizados por uma Maria Elisa, Paula Moura Pinheiro ou Margarida Marante. Agressividade e elementar falta de educação ou mera cortesia, começaram a tornar-se num hábito que ia ao encontro da mole de espectadores à espera de uns "valentes bofetões" em qualquer um dos imaginados poderosos que regem os nossos destinos. Passando sobre a deplorável e por vezes patética prestação da sra. Judite de Sousa (Seara)- a eterna e medrosa louvaminhas da esquerda caviar -, o que hoje temos, não consiste num vulgar render da guarda no telejornal da TVI que aos poucos se foi transformando numa sucursal de lavandaria de bairro. Nada disso.

 

O que está por detrás deste verdadeiro saneamento, é a poderosa, corruptora e prepotente mão estrangeira que muito bem tem gerido o processo de intervenção dentro das nossas fronteiras. Não é por acaso que quase trimestralmente surgem notícias de sondagens dentro e fora de portas, no sentido de inquirir acerca da vontade dos "ibéricos" em atingir a unificação peninsular. Imaginemos procedimentos destes por parte de Berlim, visando a independência austríaca! Impensáveis e suscitadores de ruidosa ressonância internacional, mesmo tratando-se da Áustria, um país completamente alemão. 

 

Não se trata de uma rotineira paranóia de um punhado de lusitanos agarrados à memória de perdidas glórias nacionais, mas de uma realidade bem palpável e tão mais acintosa porque evidente, repetida e cada vez mais brutal e desavergonhada. Sondagens que consistem num claro desprezo e insulto à soberania nacional - sem a mínima reacção governamental portuguesa -, tentativas claras de alargamento do controlo espanhol sobre as nossas águas - a sempre presente ameaça de anexação das Selvagens por abandono de Lisboa -, a pressão na NATO que visa ir retirando as tradicionais atribuições próprias de um dos membros fundadores, ou para não nos alongarmos, a descarada propaganda que chega ao ponto de ser transmitida pela televisão do Estado, a RTP, onde um programa Prós e Contras passa mais de duas horas a esgrimir argumentos todos eles coincidentes no sentido da "irreversibilidade" da perda da independência nacional, desta vez disfarçada pela chamada União Europeia. Os "empresários de sucesso", os novos agentes do gesticulado futuro em comum, fazem agora as vezes dos políticos que na sombra ficam, evitando reacções prejudiciais por parte de um eleitorado que subitamente pode tornar-se mais atento.

 

A TVI é hoje propriedade do Partido Socialista Operário Espanhol - PSOE -, talvez o mais desleal, corrupto, mafioso, prepotente e inepto partido socialista da Europa ocidental. Possui um longo e vergonhoso currículo de péssima gestão da unidade de Espanha e as suas cúpulas oriundas dos tempos da Transición, foram sendo eliminadas por acusação de participação em todo o tipo de negócios obscuros, conspirações e ilegalidades. Sabemos como terminou o consulado do senhor Felipe González, afundado num mar de lama, agiotagem e habilidades económicas na alta finança plutocrática. Desleal aos compromissos internacionais - a NATO, por exemplo -; desleal ao próprio eleitorado pela evidente dependência face à grande finança; desleal ao preceituado constitucional, por permitir a subversão interna. Conhecemos hoje o escandaloso trabalho de sapa que Zapatero apascenta aos que pretendem destruir as instituições, abrindo o caminho a todo o tipo de aventuras cujo fim, de tão conhecido e repetido pela história, é previsível. 

 

A mão suja, compradora e pesada do PSOE já chegou à capital portuguesa, impondo as regras de um jogo inaceitável. Pior que tudo, parece servir de condicionador do calendário daquilo que é ou não oportuno noticiar, indo ao encontro dos seus hipotéticos pares locais. A verdadeira questão a colocar, é saber se o Partido Socialista Português, num  momento difícil da sua luta pela manutenção do poder,pediu directamente ajuda a Madrid. Se assim foi,  transformou-se num simples ramo regional do PSOE, desta vez  ibérico na plenitude da expressão. Precisamos de saber a verdade que todos adivinham sem o dizer. 

 

Nos tempos da união dualista de 1580-1640, Portugal possuía moeda própria, alfândegas, um império ultramarino governado por lusitanos, esquadra da Coroa de Portugal, leis nacionais, uma burocracia de Estado autóctone. Comparativamente, hoje trazemos nos bolsos moedas com a efígie de João Carlos, comemos e vestimos espanhol, vemos as nossas águas reivindicadas pelos vizinhos, resignamo-nos ao aniquilamento dos nossos centros urbanos pela especulação imobiliária Made in Spain e finalmente, além de termos antigos governantes ao serviço dos interesses económicos vizinhos,  acatamos uma prolixa legislação que formalmente gizada em Bruxelas, serve antes de tudo, os interesses de quem nos vê como uma dependência de terceira ordem. Pelo sacrifício da sua quase milenar independência, Portugal consiste na derradeira oportunidade de manter a já velha unidade espanhola que parece desmoronar-se, devido ás exigências de autonomias onde impera uma grosseira cacicagem devorista que na Europa não tem paralelo. Se por aqui há quem se queixe dos nossos pequenos potentados regionais, aquilo que em Espanha se passa, transcende até ao absurdo, a imaginação mais delirante. A mediocridade, arrogância e boçalidade da classe política vizinha é de pasmar e para tal, bastar-nos-á visionar os telejornais e debates da TVE.

 

Quer queiramos ou não, na TVI as ordens são hoje berradas em espanhol. Para que todos percebam quem manda!

 


Por Jorge Assunção, às 17:51 | comentar

Ferreira Leite diz que bloco central em Portugal está "fora de causa"

 

Infelizmente, isto não garante a não formação de um bloco central. O que garante é que Ferreira Leite nunca aceitará fazer parte de um governo PS + PSD. Mas se o PSD ficar em segundo lugar nas eleições e o PS vencer, embora com minoria, continuo a pensar que é para um bloco central que caminhamos (estando dependente disso a votação no CDS, aliás, Paulo Portas sobre uma coligação com o PS mantém-se em silêncio). Um bloco central do qual Ferreira Leite não fará parte, porque antes disso será afastada da liderança do partido. Contudo, mais nenhuma declaração pode ser exigida ao PSD ou a Ferreira Leite e ninguém pode alegar que o partido vai a eleições sem esclarecer o eleitorado.


Por Ricardo Cataluna, às 16:29 | comentar

1. Não aprecio o estilo de Moura Guedes, nem os notíciários que apresenta. Uma das maravilhas do mercado é a concorrência: quando não gosto do que vejo na TV, mudo de canal. De resto, o Jornal de Sexta foi, muito provavelmente, mais benéfico para José Sócrtaes do que se pensa: permitiu a vitimização permanente do PM durante meses, até porque Moura Guedes goza de muitas inimizades na política e nos Media ( já agora, Santa Hipocrisia a de alguns jornalistas). A Campanha Negra foi o principal tema de muita da política de Sócrates, especialmente na segunda metade do seu (longo e penoso) mandato. Basta recordar o beija-mão permanente e uma certa histeria anti-imprensa (desde que criticasse o PS) que dominou o último Congresso de Espinho.

Esta decisão de cancelar o Jornal Nacional, ainda com muitas informações desencontradas e por esclarecer, é péssima para Sócrates e para o PS. Mesmo que ele não tenha nada a ver com o assunto, o que não acredito, até pelo que já se escreveu por aqui.

Sócrates tem tanto jeito a lidar com a imprensa crítica do seu trabalho como o Nuno Gomes tem na hora de acertar na baliza. E agora caem-lhe todas as suspeitas em cima, por culpa do próprio PM. É a vida.

 

2. Talvez fosse uma boa altura para discutir a linha editorial dos Media portugueses. Pessoalmente, preferia que se assumissem e declarassem, claramente, quem apoiam ou não apoiam, como acontece com os principais jornais espanhóis. Sempre era preferível do que assistir a lições de pseudo-independência e pseudo-jornalismo dadas por aqueles que não têm legitimidade para as dar.

 

Texto também disponível n' O Bom Gigante


Por Cristina Ribeiro, às 13:07 | comentar | ver comentários (1)

Como primeira premissa temos aquela coisa de que " em política, o que parece, é "; e parece mesmo. Mas, por outro lado, achamos que ninguém é tão estúpido, a ponto de se pôr a jeito de o acusarem de recorrer à censura, em plena democracia. Resta a hipótese de um " amigo " ter feito o serviço por ele, sem saber que lhe  estava a oferecer um presente envenenado - esse amigo só poderia ser o administrador da TVI, Bernardo Bairrão, ou  o delegado  da Prisa, Juan Luis Cebrián. Ora, ambos negam tê-lo feito. A confusão é inevitável; está aberto o caminho a todas as conjecturas...


Por Elisabete Joaquim, às 12:14 | comentar | ver comentários (3)

O Sindicato dos Jornalistas manifestou-se sobre aquilo que chama «a ingerência inaceitável da Administração da TVI» no caso do cancelamento do Jornal Nacional.

 

Na base da «indignação e repulsa» do Sindicato está o facto de não se aceitar que o poder económico tenha controlo directo sobre os conteúdos informativos, o que deveria ficar reservado ao Director de Informação. A Administração tem apenas um poder indirecto sobre a gestão dos conteúdos do seu canal, podendo apenas escolher que Direcção admitir ou demitir.

 

Estamos perante um repúdio da noção de que o jornalismo é um negócio como qualquer outro, e perante a premissa subentendida de que, pelo seu carácter  de pureza e neutralidade, o jornalismo não poder ser gerido por critérios de gestão económica sob pena de perder a sua aura de serviço imune às contingências humanas. Dito de outra maneira, a essência do jornalismo – o serviço público – merece um tratamento peculiar, daquele tipo de tratamento que em rigor pode apenas ser feito por uma Administração pública sem interesses económicos, o que explica a urgência com que o Sindicato exige uma intervenção da ERC (abstenho-me de comentar a irrazoabilidade de tal invasão da liberdade privada, o que o Carlos Novais já fez neste post), essa entidade que traduz a noção de que canais privados são admissíveis desde que respeitem a gestão que seria feita por uma administração pública, o que contraria a própria natureza da gestão privada, não necessariamente orientada para o «bem geral», mas sim para um mercado específico da procura.

 

Problemas esses que seriam evitáveis se neste país se assumisse que o jornalismo não é a santa virgem de olhar neutro e balança na mão. O jornalismo orienta-se naturalmente para um segmento de consumidores com propriedades específicas, as quais vão desde a simpatia por um certo tipo de opinião, a preferência por um certo estilo jornalístico, e a identificação com a predominância de um certo tipo de temas sob investigação. E nesta lógica de jornalismo livre, e subsequentemente necessariamente humano e direccionado, não faz sentido repudiar uma gestão orientada do mesmo. A TVI é um canal privado e deveria poder orientar livre e directamente os conteúdos que emite.

 


Por Carlos Novais, às 10:49 | comentar | ver comentários (1)

Mário Soares: "Vi com admiração que isso tinha acontecido mas isso é uma questão da empresa, não é uma questão de liberdade de imprensa."

 

A liberdade de imprensa como a liberdade de expressão e como outros direitos e liberdades emanam do mais fundamental dos direitos: o direito de propriedade.

 

Assim por exemplo, ninguém terá direito a exprimir-se livremente na propriedade dos outros a não ser que seja convidado para isso. Por liberdade de imprensa podemos assim entender:

 

- liberdade de associação empresarial em criar um órgão de informação

- liberdade de publicar e convidar outros a publicar

 

Paradoxalmente poderemos classificar de violação de "liberdade de imprensa" a imposição do chamado direito de resposta, princípio saudável mas que deverá ser assumido no domínio da auto-regulação e da busca da tal credibilização em ambiente de liberdade concorrencial.

 

Mas só no domínio das ingenuidades podemos acreditar que um poder evocado para "fazer o bem" (e ainda que tivéssemos de acordo sobre que bem será esse) violando um dado direito de propriedade não conferirá necessariamente o poder para fazer o mal.

 

Claro que a avaliação de um órgão de comunicação social inclui a interpretação (mesmo que especulativa) possível (quer pelo público e até pelos próprios trabalhadores) dos diversos actos de gestão corrente e estratégicos nomeadamente se consentâneos com regras e princípios de actuação conotados com a sua credibilização, processo subjectivo que terá em conta variáveis como independência, linha editorial e consistência.

 

Parece ser o que está em causa. E felizmente hoje em dia, a sociedade civil tem à sua disposição ferramentas de memória e vigilância dos males inevitáveis do capitalismo de Estado e/ou socialismo de mercado.

 

Um dia alguém terá a oportunidade de evocar novamente "é uma questão da empresa, não é uma questão de liberdade de imprensa.", veremos então se outros valores mais abstractos serão evocados.


Por António de Almeida, às 10:18 | comentar

 -Para se perceber um pouco melhor as suspeitas que recaem sobre o governo.

 

 

tags:

Por António de Almeida, às 09:32 | comentar

  -A ordem para calar Manuela Moura Guedes terá partido de Espanha, a Prisa é próxima do PSOE, existem mais ligações descritas em posts anteriores. De repente lembrei-me disto.

 

tags:

subscrever feeds
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





pesquisar blog
 
Links
A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A cagarra
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Alinhavos
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Cão com pulgas
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Criativemo-nos
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

Eclético
É curioso
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Faccioso
Falta de tempo
Filtragens
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fumaças

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilha da madeira
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Mais actual
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Meu rumo
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Nocturno
Nortadas
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O escafandro
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Oeiras Local
Office lounging
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Paris
patriotas.info
Pau para toda a obra
Pensamentos
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilhas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal contemporâneo
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república
Quem dera que assim fosse

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Ricardo.pt
Rio sem regresso
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Sobre o tempo que passa
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Teorias da cidade
Terras do carmo
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa
Tubarão

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
25 centímetros de neve
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

 

Twingly BlogRank

blogs SAPO