28
Ago 09
Por jorge, às 13:42 | comentar

Nunca fiz greve. Em primeiro lugar porque quando não estou bem numa empresa, mudo. Em segundo lugar porque não trabalho no sector estado.

A verdade crua e dura é esta: nas últimas décadas, a greve não tem sido um direito mas sim um privilégio de algumas pessoas, quase todas trabalhadores do estado e com posição laboral absolutamente estável.

Com a mesma regularidade do Natal, das janeiras e da época balnear, ano após ano aí temos as mesmas greves. Preocupam-se com a estabilidade do seu emprego - o que me parece normal e pedem salários mais atractivos. Mas ironicamente não os vejo discutir a competitividade das suas empresas, alicerce da saúde financeira que lhes manteria os empregos e, certamente, lhes permitiria ambicionar melhores salários.

tags:

A pergunta que se exige no momento e dado o contexto actual.

A Groundforce é o quê?

Privado ou Publico?

Só depois disto se pode discutir as ideias que aqui apresenta.
Daniel João Santos a 28 de Agosto de 2009 às 22:39

A Groundforce é uma empresa privada, cujo capital é detido pela TAP. A concorrente Portway é uma empresa privada, cujo capital pertence à ANA.

Muito bem. Desculpa lá, mas agora exige-se a pergunta seguinte:

Os funcionários pertencem ao sector publico ou ao privado?

Comentei mais a baixo (este esquema do Sapo de responder a comentários de comentários e/ou comentar o texto principal baralha-me frequentemente).

Como referi, não tinha esta greve especificamente em mente.

Em todo o caso, creio que há a ter em conta que a TAP é uma empresa de capitais públicos.
jorge a 28 de Agosto de 2009 às 23:05

Mas Groundforce é privada.

Realmente, não conheço a estrutura accionista da empresa. Mas, como referi, não tenho em mente este caso especificamente.
jorge a 28 de Agosto de 2009 às 23:18

A Groundforce, para todos os efeitos, está sob controlo estatal. Nomeadamente, está dominada pela TAP, que tem 49,9% e, a título provisório e para cumprir a lei que proíbe a TAP de controlar a Groundforce há um grupo, denominado, Europartners que controla os restantes 50,1% (é a título provisório porque os privados que dominavam esses 50,1% venderam o capital para a TAP, a TAP entretanto ainda não conseguiu encontrar nenhum privado que compra essa parte e foi encontrada uma solução provisória). Mas, como digo, é a TAP que controla efectivamente a Groundforce e a TAP é uma empresa pública. Não por acaso, os trabalhadores querem que seja o governo a segurar os postos de trabalho e manifestam-se especificamente contra a TAP.

Já agora, talvez isto ajude a explicar o que preocupa os trabalhadores da Groundforce:

http://www.ver.pt/conteudos/Detalhes_Clipping_Sector.aspx?Ev=5160

"TAP admite desmembrar Groundforce para atrair possíveis compradores. Transportadora quer alienar negócio do 'handling' e vai avaliar todas as propostas que surgirem. TAP não põe de parte vender a totalidade da empresa."

Obrigado pelos esclarecimentos.
jorge a 28 de Agosto de 2009 às 23:44

Apesar de esta tirada ter saído agora com a greve da Groundfource, tenho este ponto de vista há tempo considerável. Aliás, nem me estava a cingir especificamente à Groundfource. Tinha em mente as anuais greves nos transportes públicos, as inevitáveis greves da TAP no Natal, Páscoa e Verão e mais umas quantas habituais greves no sector público.
jorge a 28 de Agosto de 2009 às 23:01

Lembrara que fazer greve implica a perda desses dias na remuneração, tirando isso...

Ok, há perda de dias de remuneração. Mesmo assim, no panorama geral, quem faz greve? Não consigo apontar um número, mas a minha percepção - que pode estar errada, claro - é que é no sector público que a larga maioria das greves acontece.
jorge a 28 de Agosto de 2009 às 23:21

"a minha percepção - que pode estar errada, claro - é que é no sector público que a larga maioria das greves acontece."

Em Portugal não é uma percepção, é um facto. E há coisas verdadeiramente notáveis, por exemplo, na banca, a última greve foi feita pelos trabalhadores da CGD. Da CGD, que são só aqueles que, de todos os trabalhadores do sector, têm as melhores condições de trabalho.

Portanto só fazem greve as empresas que pertencem ao estado...
manuel gouveia a 28 de Agosto de 2009 às 23:19

Não tenho dados que fundamentem a minha percepção. Anualmente, quem faz greves com a precisão de um relógio suíço? Transportes públicos, função pública, educação, saúde.
jorge a 28 de Agosto de 2009 às 23:25

Os transportes públicos designam-se assim mas são privados, os seus funcionários estão no regime geral!

"Os transportes públicos designam-se assim mas são privados, os seus funcionários estão no regime geral!"

O Manuel importa-se de explicar quais são os transportes públicos a que se refere? Eu não me interessa em que regime estão os funcionários dessas empresas, interessa-me é quem detém o capital dessas empresas. Claro que, por exemplo, um trabalhador do Metropolitano de Lisboa não é um funcionário público, mas isso não faz com que a empresa deixe de ser gerida por capitais públicos e os seus prejuízos sejam suportados pelo contribuinte.

São tão privados como os funcionários do BPN, onde também os contribuintes pagaram os prejuízos de uma má gestão e provavelmente fraudulenta...

O país não tem um problema de regime mas de falta de justiça e de moral!

"São tão privados como os funcionários do BPN, onde também os contribuintes pagaram os prejuízos de uma má gestão e provavelmente fraudulenta..."

Eu adoro quando o Manuel começa a desconversar. E é um problema de regime, sim. Um problema de um Estado que tudo quer, tudo pode e em tudo manda. Nem devia nacionalizar o BPN, nem devia pagar prejuízo atrás de prejuízo das empresas públicas, desbaratando dinheiro do contribuinte. Quanto às greves nos sectores públicos são típicos de quem procura extrair rendas aos contribuintes. E os políticos por motivos eleitorais vão atrás.

Tu atacas o publico e não vês os mesmos defeitos no privado!
manuel gouveia a 29 de Agosto de 2009 às 00:07

Ponto da situação.

A discussão começou quando se defendeu que quem fazia greve era só os privados.

Foi a aqui colocada a situação da empresa groundforce, que é aos olhos do estado uma empresa privada, mais concretamente os trabalhadores são colocados pela lei como trabalhadores privados.

O que disseste mais acima é que eles fazem greve por querem ser equiparados a funcionários públicos, quando no texto é defendido que quem faz greve é o sector publico.

A transformação de uma cato legitimo como a greve num acto obsceno de quem faz greve por querer uma ponte ou farias prolongadas, é algo no mínimo indelicado.

"que é aos olhos do estado uma empresa privada"

Aos olhos do Estado é uma empresa privada, sob a qual o Estado tem controlo. Que bela empresa 'privada'. Não tarda estás como o porta voz do PS: a Portugal Telecom é uma empresa privada como tantas outras. Yeah, right. Viu-se. E nessa o Estado só tem acções douradas. Na Groundforce, o Estado controla efectivamente, através da TAP, a empresa.

"O que disseste mais acima é que eles fazem greve por querem ser equiparados a funcionários públicos, quando no texto é defendido que quem faz greve é o sector publico."

Foi isso que eu disse, Daniel? Quem vê com essa conversa sobre os funcionários públicos que não interessa a ninguém foi o Manuel. Eu digo que os trabalhadores da groundforce querem extrair rendas ao contribuinte, aproveitando o facto da empresa ser controlada pelo Estado. E, embora não diga, deixo subentendido que o que os trabalhadores têm receio é que a sua empresa passe a ser controlada por capitais privados. Porque é óbvio que sem uma reestruturação, que a empresa pública TAP, que controla a groundforce, está a tentar fazer, nenhum privado vai querer pegar na Groundforce, que dá prejuízo e tem uma estrutura de custos pesada.

Como digo ao Manuel, o que me interessa não é o enquadramento legal que é dado aos trabalhadores, mas sim que tipo de capitais, públicos ou privados, controlam a empresa. A maior parte das greves são feitas em empresas com capital público, ou seja, controladas pelo Estado. A Groundforce insere-se nesse quadro. E os trabalhadores gostarão certamente que assim se mantenha (repito: mantenha, não querem transformação nenhuma, nem querem ser funcionários públicos).

E eu vou dar a discussão como terminada por aqui, porque achei que tinha sido claro no primeiro comentário. Tu, como o Manuel, é que gostas muito de desconversar.

"Quem vê"

quem veio, queria eu dizer.

Eu não estou a desconversar, engano teu.

Para já, quando me referi ao texto, referia-me ao texto do post.

De seguida, o objectivo era tentar por em causa o facto, também lá escrito, que os funcionários públicos passam a vida em greves por dá cá aquela palha. Sem se referenciar que a greve implica a perda da remuneração.

De seguida, puxei o assunto da groundforce de forma a tentar provar que funcionários que são considerados privados aos olhos da lei, também fazem greve, como fazem outros em frente das fábricas de calçado aqui da minha região.

Depois, se respondeste ao Manuel, não sei, visto que eu respondo por aviso de mail, sem ter a obrigação de saber o que o Manuel disse ou não.

Por fim, tens de reconhecer que todo o texto é uma visão redutora da função publica. Além disso a defesa de direitos ou a tentativa de se lutar pelo que se acredita é legitima e fundamental numa democracia.



Também nunca fiz greve

http://novo-rumo.blogs.sapo.pt/55664.html
António de Almeida a 29 de Agosto de 2009 às 10:08

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





pesquisar blog
 
Links
A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A cagarra
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Alinhavos
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Cão com pulgas
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Criativemo-nos
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

Eclético
É curioso
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Faccioso
Falta de tempo
Filtragens
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fumaças

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilha da madeira
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Mais actual
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Meu rumo
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Nocturno
Nortadas
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O escafandro
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Oeiras Local
Office lounging
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Paris
patriotas.info
Pau para toda a obra
Pensamentos
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilhas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal contemporâneo
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república
Quem dera que assim fosse

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Ricardo.pt
Rio sem regresso
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Sobre o tempo que passa
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Teorias da cidade
Terras do carmo
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa
Tubarão

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
25 centímetros de neve
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

 

Twingly BlogRank

blogs SAPO