«Quem olhasse distraido para a actual política nacional até diria que os últimos anos não demonstraram de forma inequívoca que o país precisa de uma mudança profunda.»

Infelizmente é bem verdade e desmotivador. Mesmo a maior força alternativa não o compreende, o que está em causa é a mudança de chefe, com algumas alterações, mas nenhuma delas "profunda".
Elisabete Joaquim a 17 de Agosto de 2009 às 14:07

Infelizmente é bem verdade e desmotivador. Mesmo a maior força alternativa não o compreende, o que está em causa é a mudança de chefe, com algumas alterações, mas nenhuma delas "profunda".

-Vou mais longe, para lá da principal força alternativa, nem sequer as forças mais pequenas se batem pelas alterações que o país carece, à Esquerda existem forças que defendem um tipo diferente de sociedade, com as quais obviamente não concordo, à Direita é um vazio total, o único factor que ainda me leva a votar é não querer isto demasiado vermelho...

Subscrevo.

Concordo com ambos no que dizem.

Quanto ao voto, aquilo que me pode levar a votar, é mesmo a questão das grandes obras públicas. A sua construção significa certamente que o estado-empresário como grande motor da economia, está ai para ficar durante muitos e bons anos. E será também uma boa forma de perpetuar o empresário que vive à custa do Estado, uma maneira muito portuguesa de fazer negócios, que desvirtua completamente aquilo que devia ser um mercado funcional e concorrencial no sector privado.

felizmente na data das eleições não vou estar em Portugal, senão ir-me-ia abster... não tenho esse hábito, mas não só não tenho certeza de qual é o "mal menor" como tenho a certeza que votar num "mal menor" é sempre votar num cancro...
caodeguarda a 18 de Agosto de 2009 às 15:04