"Com uma crise sem fim à vista e o desemprego a subir, parecem ser a única área a dar razões para optimismo no investimento e na criação de trabalho para os próximos anos."

Julguei que o "fim à vista" da "crise" já tivesse sido vislumbrado por esses mesmos subsidiários e propulsores dos "empregos verdes". O que nos baralha todos, afinal a crise está no "começo do fim", mas sem fim à vista"?... Vale a tese pessimista quando se quer promover o "verde"? Ainda se fosse o verde vinho...
Por outro lado, gosto muito do "parece ser". à custa dessa ciência exacta da parecença, cria-se "empregos", tachos e demais parasitagem à custa do erário público.
PF a 19 de Agosto de 2009 às 18:37

"Por outro lado, gosto muito do "parece ser". à custa dessa ciência exacta da parecença, cria-se "empregos", tachos e demais parasitagem à custa do erário público."

Exacto.

Gostei de saber que investir que investir no "verde" é prejudicial ao país.
Daniel João Santos a 19 de Agosto de 2009 às 18:40

Daniel,

poderão existir argumentos sérios a favor do investimento no "verde", nomeadamente a dependência energética do nosso país face ao exterior (argumento que não compro, mas não estou a discutir sobre isso agora). Agora, não me venham é com essa de que as energias renováveis são boas porque criam emprego.

Investir no desenvolvimento tecnológico das renováveis, nomeadamente a investigação, poderá ser benéfico a prazo, mas Portugal aposta na produção, que sabemos não ser rentável, em breve estaremos carregados de tecnologia obsoleta, para cúmulo importada.
António de Almeida a 19 de Agosto de 2009 às 19:01

De certo conhece o relatório do Instituto Juan de Mariana, de Gabriel Calzada, sobre este tema. Ele demonstra o déficite de emprego gerado pelas renováveis e o preço real do kwh.

Eu no meu Blog, com contas simples usando orçamentos realistas, mostro como as renováveis fotovoltaicas são uma ilusão para enganar papalvos. No Blogconf do PM também se falou de energia eólica. Disse ter instalado o equivalente a três centrais nucleares. Só que cada eólica produz apenas uma fracção do dia. Ninguém teve conhecimentos para o desmentir.

Estive o parque eólico da Madeira um destes dias. Confrangedor! Grande parte estava parado.
Lura do Grilo a 20 de Agosto de 2009 às 09:11

"Disse ter instalado o equivalente a três centrais nucleares. Só que cada eólica produz apenas uma fracção do dia. Ninguém teve conhecimentos para o desmentir."

Evidente. É o que está bem presente neste gráfico:
http://3.bp.blogspot.com/_hrgRgSNj0mo/SoQ_G5rRMBI/AAAAAAAAAlI/K07ojp59SxI/s1600-h/REN13-08-2009.jpg

Lerá quem quiser, Lerá quem puder, temos todo o tempo do mundo!
Zé Preto a 20 de Agosto de 2009 às 09:44

Parabéns!
Mereceu ser linkado pelo Público!
Menos sorte tive eu, que escrevi isto aqui:
http://a-ciencia-nao-e-neutra.blogspot.com/


Cumprimentos,
Pinto de Sá a 20 de Agosto de 2009 às 16:43