Por acaso, não concordo.

Acho que Portas se esforçou em demasia para ser engraçado, acabando por consegui-lo poucas vezes. Interrompeu o RAP e não o deixou fazer perguntas, demonstrando uma preocupação exagerada em meter mais uma piadinha.

O que é interessante neste programa é que, tendo Sócrates sido o pior, ambos, Sócrates e Portas, não descolaram da imagem de político profissional a fazer um esforço contra-natura de parecer um gajo porreiro e que até diz umas piadas. Foram pouco naturais.

Em suma, o contrário de Ferreira Leite que foi mais natural naquele ambiente e, por isso, foi a melhor dos que até agora foram ao programa.
José Barros a 17 de Setembro de 2009 às 16:17

Só hoje vi Paulo Portas, mas impressionou-me o à vontade, não concordo muito quando diz que foi a sua veia de político profissional que sobressaiu, eu diria que foi mais a sua experiência passada na comunicação social, que lhe dá um perfeito domínio do timing pergunta/resposta, o que dificultou imenso o trabalho de RAP, que até tem a meu ver grandes potencialidades no formato, precisa é ganhar experiência, se o deixarem. Por mim gostaria que um programa deste género tivesse continuidade.

Por mim gostaria que um programa deste género tivesse continuidade. - António de Almeida

Estou de acordo consigo neste ponto. Se os Gatos tivessem a mesma capacidade de gozar com os "media" que o John Stewart seria então "serviço público".

Quanto a Portas, já revi o programa de ontem, e fiquei com a mesma sensação que descrevi no comentário anterior.

Perspectivas.:)
José Barros a 17 de Setembro de 2009 às 17:22